Passar para o Conteúdo Principal Top
logótipo CMV
Perguntas Frequentes   Facebook Twitter Instagram Flickr Youtube ISSUU RSS feed
 

Autarquia fundamenta combate à obesidade infantil com estudo científico

Notícias
Img 0414 1 1024 450
Img 0408 1 1024 450
Img 0403 1 1024 450
Img 0416 1 1024 450
Img 0422 1 1024 450
Img 0429 1 1024 450
Img 0448 1 1024 450
Img 0454 1 1024 450
Img 0462 1 1024 450
Img 0466 1 1024 450
09 Outubro 2018

Em cada dez crianças do 1.º ciclo do ensino básico do Município de Valongo, quatro apresentam excesso de peso e sete não estão satisfeitas com a sua imagem corporal. Esta é uma das principais conclusões do estudo “Avaliação e autoperceção antropométrica de crianças do 1.º ciclo do ensino básico das Escolas do Município de Valongo”, apresentado publicamente no dia 9 de outubro, na Biblioteca Municipal de Valongo.

Realizado no ano letivo 2017-2018, no âmbito do projeto Crescer+ da responsabilidade do Instituto Técnico de Alimentação Humana, S.A (ITAU), este estudo contou com a colaboração da faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP) e com a parceria do Município de Valongo.

"O primeiro passo para resolver um problema é assumir que ele existe e a obesidade infantil é uma espécie de retrocesso civilizacional. Este estudo reforça o que empiricamente já sabíamos e diz-nos para continuar neste caminho e aprofundar mais",  considerou o Presidente da Câmara Municipal de Valongo, José Manuel Ribeiro, referindo que ao nível do comportamento alimentar no primeiro ciclo a autarquia tem investido na substituição da proteina animal por protaina vegetal e também na redução do sal e do açucar. O autarca referiu ainda outros projetos incluídos no Projeto Educativo do Município para estimular comportamentos alimentares corretos tais como o NutriVentures e o DiverCook, admitindo que a solução para o flagelo da obesidade não é fácil, pois " vivemos numa sociedade consumista, onde é mais barato comer comida de plástico do que fazer uma alimentação saudável".

José Manuel Ribeiro reconheceu também a existência de "um conjunto de mensagens diárias no sentido de as crianças verem a magreza extrema" como o "ideal para se inserirem socialmente", ressalvando que isso "não é algo que dependa exclusivamente dos municípios ou da vontade dos professores" e que dada a "dimensão societal, tecnológica e mediática desta questão será necessária uma visão holística para contrariar esta tendência".

O estudo  “Avaliação e autoperceção antropométrica de crianças do 1.º ciclo do ensino básico das Escolas do Município de Valongo” decorreu entre 23 de abril e 15 de maio de 2018, numa amostra da população escolar do 1.º ciclo, envolvendo 29 turmas e 481 crianças avaliadas, num universo de 3147 alunos inscritos, a quem foram avaliadas variáveis com relevância para a caracterização da composição corporal das crianças, nomeadamente dados antropométricos (peso e estatura), dados pessoais (sexo, idade e perceção da composição corporal) e dados sociodemográficos (escola, turma, ano de escolaridade, nível de escolaridade dos pais e número de irmãos).