Passar para o Conteúdo Principal Top
logótipo CMV
Perguntas Frequentes   Facebook Twitter Instagram Flickr Youtube ISSUU RSS feed
 

"Violência no Namoro" em debate

Notícias
Img 2879 1 1024 450
Img 2884 1 1024 450
Img 2871 1 1024 450
Img 2886 1 1024 450
13 Fevereiro 2019

A propósito do Dia dos Namorados, a Câmara Municipal de Valongo promoveu a Palestra sobre "Violência no Namoro", dinamizada pela Prof. Doutora Madalena Sofia Oliveira.
Participaram ativamente nesta iniciativa organizada pelos serviços educativos da Biblioteca Municipal mais de cem estudantes da Escola Secundária e da Escola Profissional de Valongo.
Natural de Campo, Madalena Sofia Oliveira é doutorada em Psicologia, mestre em Ciências Forenses e licenciada em Serviço Social. Especialista nas áreas social e forense, com destaque para a Vitimologia, dedica-se ao estudo da violência nas relações de intimidade, violência familiar, violência de género, transmissão intergeracional da violência e promoção e proteção dos direitos da criança, tendo daí resultados diversas publicações e apresentações em congressos nacionais e internacionais. Desde 2003 que realiza ações de sensibilização em escolas sobre o tema da violência no namoro, cujos dados da tese de doutoramento surgem associados à campanha de âmbito nacional: Quem te ama, não te agride!
A violência no namoro não é um fenómeno raro (facto que vários estudos comprovam). É alta a probabilidade de jovens serem ou se tornarem agressores ou vítimas de violência no namoro.
Segundo o estudo da investigadora Madalena Sofia Oliveira, “Transmissão intergeracional da violência: o contexto familiar, as relações de intimidade e as crenças dos jovens”, com base num inquérito realizado nos anos letivos de 2008 a 2010 e que envolveu 1476 jovens com idades entre os 15 e os 20 anos de escolas de seis distritos do norte e centro do país, cerca de 25% dos jovens participantes, que mantinham àquela data um relacionamento íntimo, admitiu ter adotado um comportamento violento, pelo menos uma vez, com o seu parceiro/a, enquanto cerca de 22,5% admitiu ter sido vítima de agressão do parceiro/a.