Passar para o Conteúdo Principal Top
logótipo CMV
Perguntas Frequentes   Facebook Twitter Instagram Flickr Youtube ISSUU RSS feed
 

Lançada obra de Ampliação e remodelação da ETAR de Campo

Notícias
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
image title
08 Abril 2019

O Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, presidiu à cerimónia de colocação da primeira pedra da obra de ampliação e modernização da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Campo, onde intervieram também o Presidente da Câmara Municipal de Valongo, José Manuel Ribeiro, o Presidente da Câmara Municipal de Paredes, Alexandre Almeida, e o administrador da Be Water/Águas de Valongo, Alberto Carvalho Neto.
A empreitada envolve um investimento de mais de cinco milhões de euros e vai permitir a duplicação da capacidade de tratamento do equipamento, localizado na margem do Rio Ferreira.
Além de aumentar a capacidade de tratamento da ETAR de 51.317 habitantes para 98.278 habitantes, este investimento vai acabar com o “calvário” dos maus cheiros na zona e para valorizar o Rio Ferreira e a área de paisagem protegida do Parque das Serras do Porto.
A atual ETAR está a funcionar desde 1999, servindo a população das freguesias de Valongo, Campo e Sobrado, do concelho de Valongo, e as freguesias de Gandra, Rebordosa, Lordelo, Duas Igrejas, Astromil e Vilela, do concelho de Paredes.
A Águas de Valongo apresentou em 2015 uma candidatura para “Ampliação e Remodelação da ETAR de Campo-Valongo” no âmbito do POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.
A obra vai receber uma contribuição de quase 3,3 milhões de euros de fundos comunitários e implica a construção da terceira linha de tratamento e ajustamentos em alguns órgãos de tratamento, nomeadamente uma etapa adicional no processo de tratamento da fase sólida, que inclui a construção de um digestor anaeróbio mesofílico com aproveitamento do biogás para aquecimento.
A evolução dos caudais afluentes à ETAR, devido ao aumento da taxa de cobertura da população servida, foi superior à prevista. No ano de 2004, atingiram-se os caudais e cargas estimados para o ano de horizonte do projeto de 2016, o que conduziu a uma situação de sobrecarga desta instalação.